• Porque escrever é um vício.

    Na semana passada, 21, sexta-feira, eu fiz aniversário: 40 anos!

    Incrível como o tempo passa e a gente não se dá conta... Ainda ontem eu corria por trilhas de rallye e cursava a faculdade... Foi outro dia que eu ainda sonhava em ter filhos... Agora pouco eu andava de bicicleta na chuva, adolescente e apaixonada...

    Foi há muito tempo, algumas coisas eu nem lembro. Já fui feliz e muito triste; já chorei e quis morrer. Sobrevivi. A vida nos prega peças, todo dia uma surpresa.

    Fazer 40 anos não é diferente: eu me surpreendo por já ter vivido tanto (quem sabe se mais que a metade da minha vida!), por ter tanta história, tanta lembrança, tanta imagem, tanta saudade...

    E por ter, todo dia, um espírito que se refaz, recomeça, se molda novamente, se perde e se junta a cada por do sol. É vida que acontece sem parar...

    Eu escrevi um texto que me vem à memória nesse momento, que data de Janeiro/98. Reescrevo aqui, pra não esquecer dos beijos...

    "Sempre foi...

    Basta mergulhar o coração no vale da ilusão para enxergar um beijo do outro lado da janela. Agarra-se a um floco de neve e o derrete. Depois, dança com os pássaros do gelo, enquanto estes procuram, na essência dos galhos, um lugar para se aninhar e enfrentar a noite. É possível sentir-lhes o prazer enquanto agrupam-se em torno do afago carinhoso da madeira acolhedora - o que certamente os ajudará a suportar o frio que congela qualquer intenção, o menor gesto.

    Ela olha para a imagem que se mostra através dos vidros: há um pássaro tão preto como a neve branca, e um pássaro branco mais negro que a escuridão que habita nos ramos congelados das árvores que, também indefesas, a contemplam através do invisível. Os olhos ariscos das aves fixam-se na mulher que os olha... Brilhantes...

    Há beijos de todos os tipos, cada qual com seu desejo secreto, fonte de energia - positiva ou não.

    O crepúsculo vem descendo seu manto. Ansiedade... Ela passa as noites brincando de adormecer: acorda muito tempo depois para constatar que passaram-se quinze minutos, vinte, meia hora... Só um segundo...

    Eventualmente, aventura-se à madrugada fria tentando acolher-se nas mãos que regem o tempo. Dirige por estradas, escuridão à frente, medo e incompreensão acenando: não sabe o que fazer consigo mesma.

    Há muita gente por perto: sua alma é lenta para a alegria do mundo... Sua sensibilidade aguçada capta tudo ao redor e entrevê sombras - nada mais...

    Observa o tempo avançar perdida em seus pensamentos, questionando-se, tentando encontrar o eixo. Nada faz sem pensar um sem número de vezes - e nunca tem certeza se o que está fazendo é o certo. Apesar disso, adapta-se facilmente a tudo: ter e não ter, esse lugar ou qualquer outro, essa idéia ou aquela.

    É passiva - não acredita na necessidade de ser de outro jeito: a vida tem seu curso natural e ela acha que pouca coisa se pode efetivamente mudar... Só não se ajusta muito às pessoas - suas atitudes, suas palavras, suas máscaras, seus sons...

    Mas há um beijo que lhe foi dado na memória e se instalou: é parte da sua história. O beijo que os pássaros carregam na liberdade de seu vôo em céu aberto: indecifrável intenção...

    Agora o está devolvendo: esses seres imersos na imensidão o levarão ao destino... Não importa se há sol ou brumas, se mar revolto ou rios calmos, se silenciosos lagos ou insondáveis desertos: o infinito que se esconde por trás das asas, abarca a vastidão inteira do universo.

    Ela tem uma única certeza: o beijo que brinca nas geleiras do vento, cavalgará, veloz, para pousar, sereno, no perfume de alguém... Sonhos...

    Foi agora... Será sempre...”

    3 comentários:

    Cris disse...

    Na sexta, eu lembrei o dia todo, mas estava longe do computador oe de casa para enviar uma mensagem. Quando cheguei em casa à noite, saí correndo para um compromisso. Bom, não consegui enviar a mensagem. Mas desejei, dentro do meu coração, tudo de bom, tudo de melhor, tudo de paz, tudo de alegria, tudo de saúde, tudo de muita coisa boa, para a moça das palavras bonitas que aniversaria abrindo a primavera - minha estação favorita.

    Lindo texto!

    Beijos

    Lua disse...

    Querida,
    feliz aniversário!!!
    tudo de melhor.
    é sempre um bálsamo vir aqui e te ler. tanta delicadeza.
    bjs

    Mariana disse...

    Lindo o texto! Alias, linda vc com 40 anos e a cada dia melhor! Beijo querida e tudo d emuito bom nos proximos 40 :)))

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *