• Porque escrever é um vício.

    Faz muito frio aqui em Sampa - como deve estar sendo para muitos lugares nesse país. É Julho, afinal - e isso significa Inverno para nós.

    Não reclamo: eu gosto das estações geladas, dos ventos frios, das temperaturas baixas. Eu gosto do aconchego que provocam.

    Mas é certo que, por essas épocas, sou tomada por um tipo de inércia incontrolável: passo a sentir-me recolhida, literalmente. Em casa e dentro de mim.

    Meus dias agitados dão lugar a uma calmaria e todos os meus movimentos são mais lentos.

    Vai se infiltrando uma necessidade de silêncio e o corpo não responde muito às vontades: fico dividida entre algumas coisas que gostaria de fazer e um empenho que não se concretiza.

    Percebo as tardes deslizando para a noite num segundo. Saio à varanda para ver o final do dia e de repente o manto azul marinho o cobre: acendo o abajour da sala e tenho a impressão de que passamos vinte e quatro horas na penumbra.

    Agora, uma xícara de chocolate quente me aquece as mãos e o corpo.

    Minhas muitas inquietações, no entanto, borbulham na alma: o Inverno, além de tudo, tem a propriedade de nos fazer mais atentos ao interior. Se há vazios, eles se acentuam; se há vozes, elas fazem eco; se há dores, elas reclamam mais.

    Muita coisa mora em mim... Estou à espreita das emoções, tentando manipulá-las de forma favorável...




    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *