• Porque escrever é um vício.

    O que eu mais tenho feito nos últimos dias é visto TV - coisa que nem gosto muito mas que, na necessidade, eventualmente, rende alguns frutos.

    Hoje, no Programa do JO, assisti a entrevista com uma reumatologista que, embora superficialmente, falou um pouco sobre essa doença que é, apesar de tantas pesquisas, uma incógnita para a medicina - ninguém sabe de onde vem, o que causa, o que desencadeia, se é genética, hereditária... No ano passado, estive com um especialista, pesquisador da USP há quinze anos sobre reumatismo, e ele me pareceu desanimado: tem uma infinidade de dados que não se cruzam e não levam a nenhuma conclusão padronizada - a doença não segue um padrão. E quase todos os médicos que fui, pediam um teste ergométrico - e eu nunca questionei porque. Com esse, me senti confortável e ouvi, estarrecida, a explicação de que 60% das pessoas que morrem antes dos 40 anos de infarto e problemas respiratórios, têm relação com reumatismo sem o saber. Nunca imaginei tal relação de ossos com a coronária... Olha...



    Mas mudando de assunto, hoje (agora já é ontem), revi Destinos Cruzados - que conta a história em que, depois de um acidente aéreo, os viúvos descobrem que seus parceiros eram amantes. Harrison Ford e Kristin Scott Thomas encarnam os traídos, pegos numa razoável surpresa.

    Será raro isso de acontecer? De toda forma, é bem inesperado - pra dizer o mínimo.

    O que fica, é aquela sensação enlouquecedora de não saber como tudo começou e a partir de que momento o outro passou a viver uma vida dupla bem debaixo do nosso nariz, enquanto tudo parecia perfeitamente normal.

    A pergunta que se faz quando uma bomba dessas cai sobre nós, é mais ou menos essa: "Até onde posso ir no passado com lembranças verdadeiras?" Sim, porque tem um ponto em que a mentira passa a prevalecer e, quando esse retrocesso obrigatório se dá - porque se instala uma sombra sobre a relação que se precisa destruir -, fica quase claro o instante exato em que tudo mudou, mesmo que a mudança não fosse imediatamete visível....

    Na vida real, deve ser mais ou menos como um filme: cenas vão passando na memória e vai-se juntando todos os gestos, os horários, as palavras, os imprevistos, os silêncios - antes imperceptíveis e tão naturais...

    Surpreendente e triste...

    Mas o filme é bom.



    Aproveito para agradecer todas as muitas manifestações de carinho: só isso, já vale muito e ajuda bem a melhorar...

    Também dou as boas vindas a todos os que tem chegado aqui por esses dias, pela primeira vez, e fazendo interação positiva... Diversidade boa essa da Internet...


    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *