• Porque escrever é um vício.

    Como essa moça querida lembrou, o Outono é minha estação preferida.

    Aqui vai um adendo: são curiosas as referências com as quais as pessoas que nos querem bem nos associam. O Outono chega e passeio imediatamente pelo pensamento da Caty; a Lilia vê um banco e na hora o fotografa (e envia) pra mim - tenho uma enorme coleção de bancos solitários, belos e delicados que ela encontrou em seu caminho.

    Aqui vai um segundo adendo: como será que remeto-me a mim mesma? Quando me olho no espelho, o que me lembra? Muitas vezes, não sei definir, nem decifrar...

    Mas falemos de Outono... Ah! Essa estação que é o meio-termo - meu jeito predileto também de viver, embora nem sempre eu consiga. E assim sou obrigada a discordar daquela frase de alguém que diz que 'ou é quente ou frio', pois há muitas vantagens no 'morno'.

    E vamos abrir um novo adendo. Vejamos: o caminho do meio é sempre o mais acertado. Nem pra lá, nem pra cá: você se centra e vai em frente. Os sentimentos amenos também são mais produtivos: nem desamor, nem paixões arrebatadores; amores calmos são os que perduram.

    Nas discussões, sai-se melhor quem consegue manter a emoção sob controle: nem inflamada demais, muito menos apática. Aliás, na maioria das vezes, quanto mais morna você se impuser nessas ocasiões, mais chega perto da sua razão - de modo que a 'mornice' é uma imensa arma.

    Ser morno não é ser indiferente - embora a indiferença também seja uma grande aliada em algumas circunstâncias. Minha mãe costuma dizer que ela não conhece ninguém que consegue se manter tão indiferente ante algumas situações, eletrizantes, quanto eu. Como ela me conhece bem, costuma dizer que às vezes me olha imaginando o turbilhão fervilhante nas minhas veias ante a minha face quase gélida (diz que saí ao meu pai, que corre em mim muita quantidade de sangue alemão). Tenho que admitir: minha ponta de poder está abrigada nessa pequena qualidade e quando ela vem à tona eu me sinto um pouco gigante. Talvez seja uma defesa.

    Mas o Outono... Aqui em São Paulo ele chegou tímido. Foi hoje (agora já é ontem) que tirei do armário um casaquinho de lã. Ainda há pouco, olhando a noite da varanda, eu senti o vento - o vento, esse 'ser' que é puro milagre - varrendo o tempo.

    Há enorme poesia no Outono, com suas folhas que caem, esse renascer que se descortina por todos os cantos. Outono é tempo de se deixar cortar para ir se refazendo aos poucos. É mais que uma estação predileta; é um período de reconstrução...

    E sim: em todos esses bancos eu me sinto sentada - com meu casaquinho de lã e minha mente morna... (Você sente o vento das fotos?)

    Fotografias: Lilia Avelar

    5 comentários:

    Marisa Nascimento disse...

    Débora, eu sinto um vento gostoso daqueles que faz a gente cruzar os braços, se encolher e se ajeitar melhor no banco.
    As fotos são lindas!!
    Aqui, o outono chegou mostrando a que veio. E eu, que amo o inverno, senti ele bem próximo hoje.
    Beijo grande!

    Caty disse...

    Tava lendo agora seu comentário no meu post sobre a espera e ri sozinha... =)
    Sim, faz anos que compartilhamos as mesmas angústias! =D

    Encomendei uma câmera digital que já está chegando e qdo chegar vou tirar umas fotos daqui da cidade pra mandar pra vc. Venha me visitar, vc vai adorar isso aqui! =)

    Embora eu ame o colorido e as flores da primavera, acabei de descobrir pq o outono me é tão atraente: "Os sentimentos amenos também são mais produtivos". =)

    Quanto ainda vou ter que aprender até conseguir esse equilíbrio? rsrsrs

    Beijão =*
    (bom ter vc tão 'perto' novamente!)

    Lilia disse...

    eu senti o vento na pele :-)))
    você é muito querida, fico muito feliz com seu carinho!
    sim, o outono virou minha estação predileta faz alguns anos. mas o que mais me surpreende é que aprendi a gostar de todas e a pollyana fica morrendo de inveja hahahaha
    brincadeiras à parte, agora que moro na flórida e o inverno é uma piada comparando com o frio de nyc, acho ótimo!
    beijos muitos e mais uma vez agradecida

    Lilia disse...

    ah, esqueci de dizer uma coisa sobre o vento: 'a gente só sente, não vê e tem certeza que ele existe :-))
    beijos

    Mari Monici disse...

    Ah sim...vou concordar desta vez...médio...rs tenho aprendido muito com o seu caminho do meio...mais morninho mas mais acertado sim!
    Um beijo e um lindo outono querida, pra você...também o acho lindo!

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *