• Porque escrever é um vício.

    "Os caminhos são para as jornadas, não para os destinos..." (Dos Ensinamentos de Buda, em Anna e o Rei)

    Ao final de cada ano, há uma tendência em nós a fazer um balanço dos dias que se passaram.
    No ano passado, eu fiz esse exercício e agora, ao lê-lo, vi o quanto estava equivocada num monte de conclusões. Daí que falo por mim: não sei se isso é útil.
    Muita coisa que eu pensei resolvida em 2001, continuou ao meu encalço. Meu sentimento em relação a algumas situações que eu pensava ter administrado, foi aflorado porque ainda havia assuntos pendentes que eu, ilusoriamente, achei que estivessem liquidados: não estavam e eu precisei de mais muitos meses para fechar um ciclo que se iniciou em 2000.
    É assim a vida: emoção, infelizmente, não corre na velocidade do tempo e nos engana.
    Daquele resumo, continuei buscando me centrar e reaprender. Faltou entendimento para muitas coisas e se saltei adiante, descobri que o perdão não tinha se feito - e se a culpa foi minha ou da outra parte envolvida, não importa: fato é que descobri que perdoar é um ato que envolve mais que nossa vontade e ainda que dependesse só dela, pra dizer a verdade, nesse caso, não há grandes disposições em mim para tamanha generosidade, confesso.
    É certo que continuei a desenvolver certezas, e isso foi especialmente produtivo: eu que detesto a mentira, tratei de parar de mentir pra mim.
    Meu pai continua a me fazer falta e às vezes choro - muito (por isso e por outras coisas).
    De toda forma, encerro novamente o ano na calma, junto ao meu marido - e isso é bom: se eventualmente se tem contratempos, o amor ainda grita mais alto.
    Continuo sem fazer promessas e pedindo para que sejamos poupados das tragédias sem sentido.
    O que está feito, está feito, não há nenhuma possibilidade de mudar - de modo que não adianta olhar pra trás.
    O que estava proposto e não foi atingido, não foi. Restam duas alternativas: esquecer ou renovar os votos. Remoer, repensar, culpar-se, não resolve a questão e faz mal ao fígado.
    Estou de olhos grudados no futuro. O passado não mais me pertence: o exercício principal, nesse momento, é deixá-lo ir-se - pra bem longe de mim...

    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *