• Porque escrever é um vício.

    Pra fechar o assunto sem deixar sombras: eu fiz uma reflexão sobre a Internet e as pessoas que optam por usar um nome fictício - geralmente até muito bonitos.

    Não sou contra nem a favor de tal comportamento, simplesmente comentei. Não estou à caça de ninguém e, pra dizer a verdade, não tenho real curiosidade em conhecer ou encontrar ninguém especificamente. Terei especial prazer em conhecer algumas pessoas, mas não é uma meta nem uma obrigação.

    A identificação não é assim, um passe de mágica. Aliás, a mágica é quando há a identificação.

    Já reparei que muita gente que me visita tem linkado blogs que eu vou uma vez e não volto mais. Gostar de alguém - ou de ler seus escritos - não implica em necessáriamente gostar de tudo o mais que está ao seu redor.

    Acho que esse intercâmbio, essa troca que se dá através da virtualidade, é muito produtiva e, por vezes, suficiente - até porque as pessoas nem sempre são, como muitos abordaram, os mesmos que escrevem (o que pode causar um impacto negativo: vai-se esperando encontrar uma pessoa e dá-se de cara com alguém totalmente diferente).

    Acho a Internet muito mais perigosa para os que estão em busca do amor. Esses, deveriam se munir de cuidados redobrados - o que nem sempre acontece, dada a carência afetiva.

    Mas quando se está por aqui sem esperar algo mais que amizade, é mais ou menos como estar num bar: conhecer pessoas é algo natural - como simplesmente olhar, sem conhecer, também o é.

    Eu conheci meu marido através de uma lista de discussão, há cinco anos. Nesse mesmo encontro, meu primeiro com seres virtuais, conheci outras pessoas - e em novos encontros, outras mais. Todas hoje mantém contato - umas com mais ou menos proximidade, por conta, de novo, da identificação pessoal.

    Mas todo mundo que foi para aquele primeiro almoço, o fez apenas para se conhecer. Ninguém pensava em namorar, casar ou qualquer outra coisa: o objetivo principal era se encontrar e ver quem era cada um com quem se fazia uma imensa troca de idéias - ou seja, era continuar fazendo a troca no olho no olho e, depois na virtualidade, sabendo que rosto tinha quem escrevia.

    O que aconteceu a partir daí, teria se dado - ou não - num encontro casual. A diferença é que entre aquele grupo, havia um pré-conhecimento - do pensamento, tipo de vida, visão panorâmica de alguns assuntos, e por aí vai.

    Mas o que quero deixar claro é que eu não acho que as pessoas têm que se encontrar, têm que se identificar: ninguém TEM QUE nada.

    Eu só constatei um posicionamento nos blogs, uma diversidade de exposição: uns muito abertos (alguns até demais!), outros muito fechados, muitos no meio termo - que se protegem sem se camuflarem (que é o meu caso, acho).

    Nada que todo mundo não saiba ou não tenha percebido, quem sabe, muito antes de mim...



    E agora eu vou ver o que daqui a pouco ele entrevista uma especialista em traição. Haja assunto, hein?


    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *