• Porque escrever é um vício.

    Vez ou outra, todos nós nos deparamos com amigos ou conhecidos narrando sobre os reveses, os atropelos, os contratempos, as mudanças - nem sempre na direção desejada.

    Quando a gente passa por um momento difícil, as pessoas vêm com frases e discursos prontos, muito otimistas. É natural do ser humano esse ímpeto de querer ajudar aos que ama, essa vontade de tirar com as mãos o sofrimento, a lágrima, o desespero, livrando o olhar alheio da decepção, do desencanto, da mágoa.

    Quase nunca isso é possível: a dor é algo muito particular e está na categoria das coisas que não se pode delegar - mesmo que se queira (e como a gente gostaria de passá-la adiante!!!)

    Sou pessimista, infelizmente.

    Entretanto, também sou daquelas que têm frases prontas para as dificuldades dos que quero bem e é mesmo verdade que tudo passa - ou talvez seja nossa perspectiva que mude.

    Mas eu vou ser bem sincera: nunca acreditem quando alguém lhes disser que você vai rir do que está passando. É possível que eventualmente isso aconteça, mas algumas situações jamais pertencerão à categoria de risível. Você pode até rir quando comentar sobre ela, mas bem dentro da gente, sabe-se que aquele riso não é verdadeiro, porque algumas coisas nunca se apagam: deixam uma marca em nós que é para sempre.

    Outro dia li sobre o perdão e concluí: perdoar não é esquecer. Perdoar é encerrar o que nos aborreceu, não mais falar no assunto (com o envolvido, pelo menos), fazer de conta que não aconteceu. Isso é possível.

    Mas esquecer é outra coisa. E esquecer não é tão fácil quanto parece, porque para esquecer determinado acontecimento, seria necessário apagar tudo o mais acontecido na mesma época - e nem sempre tudo foi ruim. Quem sabe quanto se pôde aprender e pode vir a ser útil?

    E tem mais uma coisa: ao contrário do que dizem, eu acho que não é o tempo, mas o amor que cura as feridas...




    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *