• Porque escrever é um vício.

    Às voltas com tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo, a pressa e a urgência ao encalço, na hora do jantar - junto à Cristina e sua filha, Priscila, amigas queridas do Rio em Sampa -, a notícia da morte - não inesperada mas sempre desconcertante -, de um tio que partiu. No meio da tarde, num repente de coincidência, eu havia ligado para minha prima - neta dele - para saber notícias. Será que o coração adivinha?

    Marido da irmã mais velha de minha mãe, já não era jovem, mas nem por isso nos poupa da impotência diante da sombria mulher à espreita.

    Então eu telefono para ela (minha mãe) e sei que vou ouvir lágrimas do outro lado da linha: é sempre assim quando o marido de alguém morre, esse eterno reviver da ausência do meu pai, à qual ela nunca se acostuma...

    Não tenho muito a dizer.

    Amanhã à tarde a família se reúne para mais uma despedida. E esse é um compromisso que nunca pode ser adiado...




    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *