• Porque escrever é um vício.

    Tem uma angústia que de repente se instala.

    Sem razão aparente, sem motivo: só um medo. Um medo de tudo, de nada. Um tipo de medo que se infiltra, cola nas frestas da alma, tira o foco.

    Então, pensamentos negros espreitam pelos segundos em que não se quer pensar em coisa alguma: ficam lá, na segunda mente, falando de como tudo pode dar errado.

    De noite, pesadelos. No sono agitado, as sombras se agigantam - um sinal bem invertido.

    O toque do telefone causa um frio na espinha: a notícia que chegará, a qualquer momento, será boa ou trará aborrecimentos? De certa forma, eu detesto telefone: ele consegue ser tão surpreendente!!! E eu, claro, só gosto das surpresas boas - algo do qual nem sempre ele é portador...

    Externo. Já viu como o externo pode nos dividir ao meio? Já viu como somos capazes de dar uma importância enorme a quem não tem nenhuma mas, de alguma maneira, nos afeta?

    Estou precisando ir ver minha mãe - um pouco de colo sempre ajuda, parametra de novo pro que faz sentido. E devolve alguma segurança - coisa que, nesse instante, está abaixo de zero...



    De que paredes sufocantes são feitos os medos?




    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *