• Porque escrever é um vício.

    Essa semana, o inesperado - natural para muita gente - me atropelou e ainda tenho seus reflexos: estou há três dias com uma terrível dor de cabeça.

    Acontece que essa é uma dor que eu não tenho. Em 34 anos, acho que posso contar nos dedos de uma só mão as vezes em que fui derrubada por essa dor - nem nos tempos de maiores crises! Desenvolvi úlceras, ovários policísticos, reumatismo precoce, mas dor de cabeça... raramente.

    E o que fazer com algo que não se sabe lidar?

    A sensação é de que meu lado esquerdo vai parar todo ou explodir.

    Minha mãe ainda telefona e diz que sonhou que eu tinha morrido. Eu nem falei dos últimos dias...

    Agora: a gente bem que podia morrer sem passar pelo insuportável, não?

    Daquele jeito calmo que descreveu Shakespeare:

    (...) “Morrer; dormir... Só isso.

    E com o sono – dizem – extinguir

    Dores do coração e as mil mazelas naturais

    A que a carne é sujeita; eis uma consumação

    Ardentemente desejável.

    Morrer – dormir – Dormir! Talvez sonhar...

    Aí está o obstáculo!

    Os sonhos que hão de vir no sono da morte..." (...)





    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *