• Porque escrever é um vício.

    Faz tempo estou pra escrever sobre isso...



    Muito se tem ouvido falar do Big Brother Brasil e Casa dos Artistas.

    Geralmente, as opiniões são negativas - aquele discurso de que o programa é armado, as emissoras/dirigentes manipuladores, e por aí vai.

    Mas - e aqui entra um imenso MAS -, a audiência é, tanto para um quanto para outro, massacrante: ninguém vê outra coisa nos horários em que se apresentam.

    Aqui, assinamos o BBB 24 horas. Não que a gente assista tanto tempo - que há vida além da TV -, mas tem sido o programa que mais se vê. Quando filhos e amigos vêm visitar, muito se conversa sobre - alguns assumem que veêm, outros dizem que não, mas todos se interessam, ainda que superficialmente.

    Também assistimos Casa dos Artistas e acompanhamos as votações e informações pela Internet.



    Daí: quem critica? Quem assiste - que, se não assistisse, não teria parâmetros para crítica. Não dá pra dizer que uma coisa é ruim se vc não provou! Isso é básico e lógico.

    Mas é compreensível esse jeito de se manter à margem do que não é culturalmente enriquecedor. Queremos parecer intelectuais, ligados nos grandes projetos, vestidos com aquele ar de grandeza que nos coloca inteirados numa sociedade elitizada: ver BBB e CA, nos enruste uma tarja de povão - o que é um tolo pré-conceito.



    Pessoalmente, divirto-me muito.

    E o que me prende, não é um sentimento de voyerismo da vida alheia, mas o mesmo que ela: as picuinhas, as desculpas esfarrapadas, as contradições bem humanas.

    Essa constante mutação de opinião a respeito do outro, do mundo, do que nos cerca. Esse virar as costas a quem nos dá a mão. O beijo da traição. O sorriso da ironia. A mentira que nos protege...

    Sim: você e eu já passamos por isso - provavelmente, tanto do lado de quem puxa o tapete quanto de quem leva o tombo.

    E esse é um real retrato da vida...



    Agora, com licença, que vou continuar a ver BBB , com seus participantes criando jogos de poder para derrubar qualquer um que estiver obstruindo o caminho.

    Por dinheiro? Não tão somente - que mora em nós sombras que, muitas vezes, desconhecemos.

    Não se iluda... Como disse Nelson Rogrigues, "O ser humano é o único que se falsifica. Um tigre há de ser tigre eternamente. Um leão há de preservar, até morrer, o seu nobilíssimo rugido. E assim o sapo nasce sapo e como tal envelhece e fenece. Nunca vi um marreco que virasse outra coisa. Mas o ser humano pode, sim, desumanizar-se".




    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *