• Porque escrever é um vício.

    Acabamos de assistir Moulin Rouge: não sei se é filme pra vencer o Oscar, mas eu adorei!

    Gosto dos musicais: eles lembram uma época que não vivi, de cabarets com suas prostitutas exuberantes, a beleza e um tipo de liberdade que afrontava o mundo de um jeito que o tempo dissipou. Essa era uma época de sonhos em que os diamantes cintilantes eram considerados a única ambição de uma mulher dos chamados submundos. Essas, as damas da noite, guardavam em si a alegria e vendiam a ilusão do amor - coisas que, hoje, as bonecas de luxo talvez sequer conheçam.

    Outros tempos, novo milênio, valores e focos muito distantes dos idos 1900.

    Eu, se tivesse vivido nesses anos dourados - pasmem! -, teria sido uma Satine. Dançarina, glamourosa, ardente; me apaixonaria por um escritor e morreria jovem, com certeza.



    Moulin Rouge trouxe-me um sentimento de nostalgia - daqueles que nos despertam saudade de lugares/tempos que não conhecemos/vivemos e que não se sabe de onde vem.

    É pena, afinal, que ele pertença à safra dos filmes cuja arte imita a vida e feche sua cortina sobre a dor.

    Não espanta, contudo. Em mim, só acentuou essa impressão curiosa de ter sido parte dos cenários...



    A trilha sonora é deliciosa, numa seleção de músicas que se compõem umas nas outras, num trocadilho que as torna divertidas sem tirar a essência.

    E embora eu ache que o ator Ewan McGregor não seja a opção ideal para contracenar com Nicole Kidman, ele vestiu-se tão bem no papel que quase não consigo imaginar outro em seu lugar.

    Enfim: o deslumbrante nightclub francês que atendia a elite decadente da sociedade local, instigando os mais profundos desejos dos homens, está perfeitamente retratado - além do que, nos transporta para as primeiras poltronas de teatro, o espetáculo que carrega a expressão mais pura das encenações.




    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *