• Porque escrever é um vício.

    Os domingos têm uma peculiaridade: são preguiçosos... Normalmente, começam tarde, com o café da manhã na hora do almoço...

    Eu gosto disso: esse descompromisso com horários, essa irresponsabilidade diante das horas... Detesto o convencional, o obrigatório, o padrão: o inusitado, o desprogramado, essa disponibilidade para a aventura, faz os dias mais leves...

    Ser livre é importante... Eu fui criada sem amarras, de um jeito simples, sem maiores complicações: isso não me fez uma mulher sem limites. Ao contrário, me fez reconhecer espaços e delimitar avanços alheios - e os meus diante das pessoas que amo... Eu sou disciplinada e propensa ao respeito mútuo...



    Mas eu estou falando do domingo...

    O nosso, foi deliciosamente calmo... Amanheceu um dia claro, de céu aberto e sol a pique - que começou pra nós por volta das onze, com conversas, risos e sorrisos, rala e rola na cama: o café só saiu depois da uma...

    Às três, lembramos de almoçar: Liberdade. É um bairro aqui em Sampa, que tem uma feira dominical onde se pode comer camarão, bolinhos de bacalhau, yakissoba e todas as especiarias japonesas - sentados na calçada... A gente também passeou por aí e voltou pra casa com flores para colorir nosso lugar.

    Daqui a pouco, um lanche gostoso, com queijos e frios, suco e sorvete - a gente faz um meio-regime, nada à risca... Quem sabe, mais tarde, pipoca... Namorar...



    Os dias, para serem especiais, só precisam do nosso desejo e disposição para os tornar assim... E a noite, como dizem os poetas, é uma criança...




    0 comentários:

     

    Arquivo do blog

    Perfil

    Minha foto

    Coordena os Portais Babel Cultural e Estilo 40. 
    Escreveu por dez anos para o site Crônica do Dia. Administra e escreve minicontos em Hiperbreves.
    Formada em Letras, trabalha com arte-visual. Casada, 'mãe' da Maya - uma Labradora chocolate. 

    Se tem algo a dizer, envie sua msg.

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *